SETE DIAS DA SEMANA SEM MEDO DA NOTÍCIA!

07/10/2016 06:33Hs

CHACINA DE MESSEJANA

Dez meses após o massacre, Justiça interroga hoje os 44 PMs suspeitos. Familiares deles farão protesto no Fórum

A matança ocorreu na madrugada de 12 de novembro após a morte de um soldado. A Justiça prendeu preventivamente os militares

Dez meses após o massacre, Justiça interroga hoje os 44 PMs suspeitos. Familiares deles farão protesto no Fórum

Exatos 10 meses e 26 dias depois da maior chacina já ocorrida em Fortaleza, quando 11 pessoas foram assassinadas, finalmente hoje, a Justiça começa a dar os primeiros passos para o esclarecimento do caso. Na tarde desta sexta-feira (7), 44 policiais militares, presos preventivamente há cerca de um mês e apontados como suspeitos da matança, serão ouvidos por três juízes no Fórum Clóvis Beviláqua.  O interrogatório coletivo pode durar horas e atravessar a madrugada do sábado (8).

O interrogatório deve ser marcado por protestos. Familiares, amigos e companheiros de farda dos militares prometem realizar uma manifestação não porta do Fórum durante todo o tempo que durar a audiência. Eles clamam por justiça e pedem que os PMs sejam libertados, já que não há condenação. Vários militares alegam que estão presos injustamente, por não teriam tido nenhuma participação no massacre das 11 pessoas.

O caso ganhou espaço na Mídia nacional, chegando a ser reportagem especial em várias redes de televisão. A chacina aconteceu na madrugada do dia 12 de novembro do ano passado nas ruas dos bairros Curió, Lagoa Redonda e Conjunto São Miguel, comunidades vizinhas localizadas na Grande Messejana.

O motivo

O caso foi investigado durante nove meses pela Delegacia de Assuntos Internos (DAÍ)< da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos da Segurança Pública e do Sistema Penitenciário (CGD). Sigilosamente, uma força-tarefa composta por três delegadas, escrivães e investigadores, colheu pistas sobre o complexo episódio. À pedido do governador do Estado, Camilo Santana (PT), a Polícia Federal contribuiu nas investigações através de seu Departamento de Perícia Criminal, em Brasília. A Justiça autorizou a quebra do sigilo telefônico dos PMs investigados e colheu outras provas, como filmagens de veículos e até mensagens trocadas pelos suspeitos através do aplicativo WhatsApp.

O motivo do massacre seria uma vingança coletiva de policiais pelo assassinato de um colega de farda. A morte do PM horas antes, durante uma tentativa de assalto, teria desencadeado um plano montado às pressas pelos militares para fazer uma “limpeza” na área, isto é, eliminar bandidos. Contudo, as investigações mostraram que das 11 pessoas assassinadas – além de outras que foram baleadas, mas sobreviveram – apenas duas possuíam histórico criminal. 

Por FERNANDO RIBEIRO