SETE DIAS DA SEMANA SEM MEDO DA NOTÍCIA!

30/12/2016 10:08Hs

CRISE ECONÔMICA

Desemprego deve atingir a marca de 13,7 milhões de pessoas até o fim do primeiro semestre de 2017

Este é o pior momento do mercado de trabalho desde 1991, com a maior taxa de desemprego

Desemprego deve atingir a marca de 13,7 milhões de pessoas até o fim do primeiro semestre de 2017

A previsão de melhora do mercado será no segundo semestre de 2017/ Foto: ABr

O número de desempregados no Brasil bateu o recorde em 2016. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de desocupados chegou a 12,1 milhões em novembro, correspondendo a uma taxa de desemprego de 11,9%. E a situação tende a piorar no primeiro sementre de 2017.

Segundo o Departamento de Pesquisas do Bradesco, mais de um milhão de trabalhadores brasileiros perderão o emprego no próximo ano, atigindo a marca de 13,7 milhões de pessoas desempregadas até o fim do primeiro semestre. No entanto, o número deve cair para 13,4 milhões de pessoas no fim do próximo ano.

Entre 2015 e 2016, foram mais de três milhões de trabalhadores que perderam seus empregos formais, segundo o Bradesco. Porém, para os formais, medidos pela Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, a previsão é a de criação de 150 mil vagas de postos de trabalho em 2017 e outros 900 mil em 2018.

''O desemprego deve chegar a 13,7 milhões de pessoas na virada do primeiro para o segundo semestre, até que comece a melhorar um pouco. Este é o pior momento do mercado de trabalho desde 1991, com a maior taxa de desemprego. Até 2018, o emprego não vai voltar ao nível anterior, de antes de 2015, porque a economia brasileira também não vai voltar''; afirma a econominsta do Brasdesco, Ariana Zerbinatti.

Por Layanna Vasconcelos

Com informaçõe do site: o globo.com