SETE DIAS DA SEMANA SEM MEDO DA NOTÍCIA!

22/09/2016 10:27Hs

Entrevista

Delegado da PF esclarece que Mantega não estava em centro cirúrgico ao ser preso

Os policiais foram ao Hospital Albert Einsten após contato telefônico com o ex-ministro, que combinou que iria descer até a frente da unidade hospitalar.

Delegado da PF esclarece que Mantega não estava em centro cirúrgico ao ser preso

O delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula esclareceu na manhã desta quinta-feira (22) como aconteceu a prisão preventiva do ex-ministro Guido Mantega em São Paulo. Segundo o delegado, No apartamento de Mantega estava seu filho de 16 anos e uma empregada.

Os policiais foram ao Hospital Albert Einsen, após contato telefônico com o ex-ministro, que combinou que iria descer até a frente do hospital. Segundo o delegado, Mantega não estava no centro cirúrgico.

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima afirma que a situação do hospital foi uma "coincidência triste", mas não se pode deixar de cumprir uma ordem judicial. "Foi uma coincidência infeliz apenas."

Procurador Carlos Fernando dos Santos Lima/

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o consórcio Integra Ofsshore, formado pela Mendes Júnior e OSX, firmou contrato com a Petrobras no valor de US$ 922 milhões, para a construção das plataformas P-67 e P-70, que são unidades flutuantes de produção, armazenamento e transferência de petróleo voltadas à exploração dos campos de pré-sal, em 2012. A investigação ocorre desde agosto de 2015.

O empresário Eike Batista, ex-presidente do Conselho de Administração da OSX, que prestou depoimento ao MPF e declarou que, em novembro de 2012, recebeu pedido do então ministro Mantega para que fizesse um pagamento de R$ 5 milhões, no interesse do PT, segundo as investigações.

"Para operacionalizar o repasse da quantia, o executivo da OSX foi procurado e firmou contrato ideologicamente falso com empresa ligada a publicitários já denunciados na Operação Lava Jato por disponibilizarem seus serviços para a lavagem de dinheiro oriundo de crimes. Após uma primeira tentativa frustrada de repasse em dezembro de 2012, em 19/04/2013 foi realizada transferência de US$ 2.350.000,00, no exterior, entre contas de Eike Batista e dos publicitários", diz o MPF.