Sete dias da semana sem medo da notícia

Entrevista de delegado aumenta polêmica sobre denúncias de estupros em Itapajé
Responsável pelas novas investigações, delegado diz que, "a palavra da mãe, por si só, não é determinante para uma absolvição ou uma condenação, assim como a palavra da vítima não deve ser suficiente para uma condenação ou uma absolvição”.

Delegado Davi Louzada foi designado para retomar as investigações em Itapajé

query_builder

A polêmica em torno das denúncias de crimes de estupro contra crianças e adolescentes na cidade de Itapajé (124Km de Fortaleza) ganhou mais um capítulo após o afastamento do delegado que investigava os casos. Em entrevista a uma emissora de TV, o novo delegado designado para apurar as denúncias de pedofilia minimizou a gravidade dos fatos e alegou que os depoimentos das crianças e das mães, vítimas da violência, seriam “insuficientes” para gerar uma posterior condenação judicial dos acusados.

O delegado de Polícia Civil Levi Louzada, da Delegacia de Combate aos Crimes de Exploração da Criança e do Adolescente (Dececa), designado para investigar o fato, esteve em Itapajé nos últimos dias. Recebeu a missão de dar continuidade ao trabalho de investigação que estava sendo feito por seu colega André Firmino, exonerado do cargo.

Segundo Louzada, nesta nova fase da investigação, crianças e adolescentes que teriam sido, supostamente, abusadas sexualmente naquela cidade foram ouvidas assim como seus pais, num trabalho que teve, conforme o delegado, o acompanhamento de psicólogos. Mas, conforme Louzada, “a priori, não foi detectada a prática de novos abusos  os procedimentos que nós lavramos”.

O delegado então ressaltou que, “o fato é que a palavra da mãe, por si só, não é determinante para uma absolvição ou uma condenação, assim como a palavra da vítima não deve ser suficiente para uma condenação ou uma absolvição”.

Louzada informou também que fez requisição para a realização de exames de corpo de delito e de constatação de crime sexual, “a fim de que a Perícia Forense nos auxilie da detecção de vestígios de supostos abusos que teriam ocorrido naquela localidade”.

E continuou: “O fato é que após ouvirmos as próprias vítimas e as mães noticiantes dos fatos anteriores, acompanhadas, inclusive, de conselheiros tutelares, não foi detectada essa quantidade de estupros que até então vinha sendo noticiada”.

OUÇA A ENTREVISTA DO DELEGADO DAVI LOUZADA: